Gênesis 8

Este capítulo fala da saída das águas da terra, e de toda a libertação de Noé, e aqueles com ele na arca. Quando todo o resto foi destruído

Capítulos:

O fim do dilúvio

1 E lembrou-se Deus de Noé, e de todos os animais, selvagens e domésticos que estavam com ele na arca; e fez passar Deus um vento sobre a terra, e diminuíram as águas.

2 E se fecharam as fontes do abismo, e as comportas dos céus; e a chuva dos céus foi detida.

3 E voltaram-se as águas de sobre a terra, indo e voltando; e decresceram as águas ao fim de cento e cinquenta dias.

4 E repousou a arca no mês sétimo, a dezessete dias do mês, sobre os montes de Ararate.

5 E as águas foram decrescendo até o mês décimo: no décimo, ao primeiro dia do mês, se revelaram os cumes dos montes.

6 E sucedeu que, ao fim de quarenta dias, abriu Noé a janela da arca que havia feito,

7 E enviou ao corvo, o qual saiu, e esteve indo e voltando até que as águas se secaram de sobre a terra.

8 Enviou também de si à pomba, para ver se as águas se haviam retirado de sobre a face da terra;

9 E não achou a pomba onde sentar a planta de seu pé, e voltou-se a ele à arca, porque as águas estavam ainda sobre a face de toda a terra: então ele estendeu sua mão e recolhendo-a, a fez entrar consigo na arca.

10 E esperou ainda outros sete dias, e voltou a enviar a pomba fora da arca.

11 E a pomba voltou a ele à hora da tarde; e eis que trazia uma folha de oliveira tomada em seu bico; então Noé entendeu que as águas haviam se retirado de sobre a terra.

12 E esperou ainda outros sete dias, e enviou a pomba, a qual não voltou já mais a ele.

13 E sucedeu que no ano seiscentos e um de Noé, no mês primeiro, ao primeiro do mês, as águas se enxugaram de sobre a terra e tirou Noé a cobertura da arca, e olhou, e eis que a face da terra estava enxuta.

14 E no mês segundo, aos vinte e sete dias do mês, se secou a terra.

15 E falou Deus a Noé dizendo:

16 Sai da arca tu, a tua mulher, os teus filhos, e as mulheres dos teus filhos contigo.

17 Todos os animais que estão contigo de toda carne, de aves e de animais e de todo réptil que anda arrastando sobre a terra, tirarás contigo; e vão pela terra, e frutifiquem, e multipliquem-se sobre a terra.

18 Então saiu Noé, e seus filhos, e sua mulher, e as mulheres de seus filhos com ele.

19 Todos os animais, e todo réptil e toda ave, tudo o que se move sobre a terra segundo suas espécies, saíram da arca.

20 E edificou Noé um altar ao SENHOR e tomou de todo animal limpo e de toda ave limpa, e ofereceu holocaustos sobre o altar.

21 E percebeu o SENHOR cheiro suave; e o SENHOR disse em seu coração: Não voltarei mais a amaldiçoar a terra por causa do ser humano; porque o intento do coração do ser humano é mau desde sua juventude: nem voltarei mais a destruir todo vivente, como fiz.

22 Enquanto a terra durar, a sementeira e a colheita, o frio e calor, verão e inverno, dia e noite, não cessarão.


Introdução ao Livro de Gênesis capítulo 8:

Este capítulo fala da saída das águas da terra, e de toda a libertação de Noé, e aqueles com ele na arca, do dilúvio, quando todo o resto foi destruído: depois de cento e cinquenta dias um vento é enviado sobre a terra, as fontes do abismo e as janelas do céu são fechadas, as águas se dissipam gradualmente, e a arca repousa sobre o monte Ararat. 

Dois meses e treze dias depois disso os cumes do montes foram vistos, Gênesis 8:5 e quarenta dias após o aparecimento deles, Noé enviou primeiro um corvo, e depois uma pomba, e isso pela segunda vez, para saber mais sobre a diminuição das águas. 

Quando Noé estava na arca dez meses e treze dias, ele a descobriu, e a terra estava seca, mas não tão seca que fosse adequada para ele sair, até quase dois meses depois, quando ele teve uma ordem de Deus para sair da arca, com todos os que estavam com ele, o que foi devidamente obedecido, sobre o qual ele ofereceu sacrifício em agradecimento por sua grande libertação, que foi aceita pelo Senhor; que lhe prometeu não mais amaldiçoar a terra, nem afogá-la, mas que ela deveria permanecer, e enquanto o fizesse haveria as constantes revoluções das estações do ano, e do dia e da noite. Por: John Gill's

Nenhum comentário:

Postar um comentário